Justiça News

Secretário de Cultura do governo federal é exonerado dois meses após a nomeação

O presidente Jair Bolsonaro decidiu exonerar o secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Ricardo Braga, dois meses após nomeá-lo para o cargo. A exoneração foi publicada no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (6).

Seu antecessor, Henrique Pires, deixou o posto em agosto, depois que o Ministério da Cidadania suspendeu um edital com séries sobre temas LGBT. Para Henrique Pires a medida configurou censura.

“Eu tenho o maior respeito pelo presidente da República, tenho o maior respeito pelo ministro, mas eu não vou chancelar a censura”, afirmou Henrique Pires quando decidiu deixar o cargo.

A decisão de suspender o edital foi tomada em meio a diversas críticas de Bolsonaro à destinação de recursos públicos a filmes com temáticas que desagradam ao presidente, como a LGBT.

‘Se não puder ter filtro, nós extinguiremos a Ancine’, declara Bolsonaro

‘Se não puder ter filtro, nós extinguiremos a Ancine’, declara Bolsonaro

Exoneração no MEC

O “Diário Oficial da União” desta quarta trouxe, ainda, a nomeação de Ricardo Braga para o cargo de secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação. A área é responsável pelo credenciamento de universidades privadas.

Braga vai substituir Ataíde Alves. Segundo reportagem do jornal “O Globo”, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, decidiu demitir o secretário por morosidade nos processos de autorização de cursos e lentidão na desburocratização do setor.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub — Foto: Luis Fortes/MEC

O ministro da Educação, Abraham Weintraub — Foto: Luis Fortes/MEC

Notícias Relacionadas
Justiça News

CCJ do Senado pode votar nesta quarta-feira projeto que permite prisão após 2ª instância

Justiça News

‘Você não vai acabar com desmatamento nem com queimadas, é cultural’, diz Bolsonaro

Justiça News

Coleta de assinatura digital para criação de novo partido enfrenta resistência no TSE

Justiça News

Apuração da Receita de Limeira originou processo no STF sobre uso de dados financeiros em investigações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *