Justiça News

Guedes diz não haver pontos inegociáveis no pacote econômico apresentado pelo governo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira (6) que não há pontos inegociáveis no pacote de medidas econômicas enviado pelo governo ao Congresso.

Guedes participou de um café da manhã na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Pelo menos 37 senadores estavam presentes.

O pacote, entregue pessoalmente pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso na terça (5), tem três propostas de emenda à Constituição (PECs), que buscam controlar os gastos públicos e equilibrar as contas da União, governos estaduais e municipais.

  • Veja ponto a ponto as medidas propostas pelo governo para ajustar as contas públicas

No café, Guedes apresentou para os parlamentares o pacote do governo. Para ele, o ministro que se recusa a negociar não está preparado para o exercício da democracia.

“Seria arrogância dizer que tem algum ponto inegociável”, afirmou.

Guedes, no entanto, afirmou que espera menos mudanças no texto em comparação à reforma da Previdência, que acabou desidratada pelos parlamentares durante a tramitação.

“Eu acho que é diferente da previdenciária. Na previdenciária, realmente, mandamos lá R$ 1,2 trilhão e aí houve bastante cortes. Mas foram cortes extremamente compreensíveis na democracia, e louváveis”, disse o ministro.

“Não é que o limite [para mudanças] é menor. É que eu acho que vai acontecer naturalmente. Como a outra [previdência] foi uma iniciativa nossa e depois a Câmara o Senado tiveram que recalibrar, dessa vez fizemos o contrário. Nós nos entendemos antes e recalibramos juntos”, explicou.

Notícias Relacionadas
Justiça News

CCJ do Senado pode votar nesta quarta-feira projeto que permite prisão após 2ª instância

Justiça News

‘Você não vai acabar com desmatamento nem com queimadas, é cultural’, diz Bolsonaro

Justiça News

Coleta de assinatura digital para criação de novo partido enfrenta resistência no TSE

Justiça News

Apuração da Receita de Limeira originou processo no STF sobre uso de dados financeiros em investigações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *