Justiça News

Federalizar caso Marielle após citação a Bolsonaro será ‘remédio’, diz cúpula da PGR

Integrantes da cúpula da Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmaram nesta quarta-feira (6) ao blog, de forma reservada, que federalizar o caso Marielle Franco será um “remédio processual” após a citação do presidente Jair Bolsonaro no caso.

Reportagem do Jornal Nacional mostrou que um porteiro do condomínio contou à polícia que, horas antes do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes, o ex-policial militar Élcio de Queiroz, suspeito de participação no crime, esteve no local e disse que iria à casa 58, casa que pertence ao presidente, e que o “seu Jair” atendeu ao interfone e autorizou a entrada.

Queiroz, entretanto, seguiu para a casa de Ronnie Lessa, outro suspeito do assassinato, no mesmo condomínio. Naquele horário, o então deputado Jair Bolsonaro estava em Brasília e participou de votações na Câmara no mesmo dia.

No último sábado (2), Bolsonaro afirmou que pegou a gravação das ligações da portaria do Condomínio Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro, onde tem uma casa, para que não fossem adulteradas.

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, o áudio da portaria do condomínio mostra que foi Ronnie Lessa, e não Bolsonaro, quem autorizou a entrada de Élcio Queiroz. Segundo o MP as gravações contradizem a versão do porteiro.

A federalização, ou seja, tirar a investigação das autoridades locais, foi solicitada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pela antecessora de Augusto Aras na PGR, Raquel Dodge.

Fontes da PGR disseram à reportagem que, antes da citação ao presidente, avaliavam que o pedido não tinha chances de avançar no STJ. Mas, diante dos fatos novos, “ganha corpo, fortalece”, nas palavras de um procurador. O STJ pode decidir sobre a federalização em novembro.

Para a cúpula da PGR, federalizar após o caso envolvendo o porteiro será um “remédio processual” que garantirá “imparcialidade à investigação” sobre o crime.

Aliados e familiares de Marielle Franco são contra. O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) disse ao blog nesta quinta-feira achar “temerário” mudar a competência, e vê com “preocupação” uma eventual linha de investigação ser conduzida pelo ministro Sergio Moro, chefe da Polícia Federal (PF).

“Ele é ministro de Bolsonaro, tem demonstrado pouca autonomia. Não tem nada a ver com a Polícia Federal, mas com condução política do caso, já que uma das linhas de investigação pode envolver essa citação ao presidente. A nossa preocupação é a pouca autonomia para investigar e, além disso, as investigações locais chegaram ao escritório do crime.”

“Neste momento minha posição é contrária, não tem razão de ser o deslocamento. O MP do Rio conseguiu prender suspeitos de serem executores, estamos caminhando para uma fase de juri. Mais de um ano e sete meses depois da execução de Marielle, é lamentável que tenhamos esse cenário tão conturbado ainda”, disse.

Monica Benício disse ao blog, também, que tem todo o interesse em saber o conteúdo do pedido de federalização.

“Sou parte diretamente interessada no processo e tenho todo o interesse em saber o conteúdo também do pedido de federalização. No entanto, enquanto meu pedido de acesso ao pedido de federalização foi negado, o presidente tem acesso a provas e informações da investigação do caso. É lamentável que isso ocorra dessa maneira. Uma vez que não tenho acesso, é difícil dar credibilidade esse pedido de federalização.”

Aras e Gussem

A investigação da citação ao presidente, após pedido de Moro a Aras, será comandada pelo procurador Douglas Araujo, do MPF do Rio.

Nesta terça (5), segundo o blog apurou, Aras se reuniu com o procurador-geral do Rio, Eduardo Gussem. Fontes da PGR negam que tenham discutido o caso Marielle. Afirmaram, ao blog, que debateram detalhes de um evento do MP que ocorrerá no dia 11 de novembro.

Gussem é chefe do MP do Rio, responsável pela investigação do caso Marielle.

Notícias Relacionadas
Justiça News

CCJ do Senado pode votar nesta quarta-feira projeto que permite prisão após 2ª instância

Justiça News

‘Você não vai acabar com desmatamento nem com queimadas, é cultural’, diz Bolsonaro

Justiça News

Coleta de assinatura digital para criação de novo partido enfrenta resistência no TSE

Justiça News

Apuração da Receita de Limeira originou processo no STF sobre uso de dados financeiros em investigações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *